Saturday, June 07, 2008

Às vezes eu acerto...

Hoje fui ler os comentários de meus amigos, e agradeço. Suspeito que a sereia, por falar francês, seja Eugênia. Acertei? E, no entanto, a figura é cara à Nina, que não escreveria...Outro dia volto às sereias, seres que me fascinam por híbridos. Gosto de compará-las com o Minotauro... O homem híbrido, que é único, mas incapaz de pensar, versus a mulher híbrida, múltipla, pensante e, talvez por isso mesmo, escorregadia. Belas e atemorizantes, soltas nas ondas, versus terrível e atemorizante, preso no centro mesmo do labirinto do eu.... Todos esses seres mitológicos, quando com cabeça humana, portanto dotados de pensamento, recebem também alguma marca da liberdade -- sejam asas, ou um corpo veloz de cavalo, ou patas de bode que lhes permitam galgar as mais altas montanhas... Realmente, o pensamento e a imaginação nos levam longe... Tão longe como estou agora de meu desejo de ruminar a indiferença olímpica do Obama. Híbrido também, meio americano meio africano, meio ocidental meio oriental, como ele seria representado pelos homens mais perspicazes do passado? Que traços o representariam? Sua indiferença olímpica, própria dos deuses que jamais se importaram com os humanos, cientes de que eles nada poderiam fazer já que o destino humano não lhes pertencia, será motivada pela consciência de se saber um títere? O perfeito boneco, bem articulado, para agradar aos interesses de um Destino cujo nome verdadeiro desconhecemos? Isso num ano de Olimpíadas, de jogos, de disputas, de ânsias e medos...
Deixo o resto para vocês ruminarem. Volto aos meus pensadores, mas antes lembro aqui o nome de um livro: O voo (saudades do acento) da Guará Vermelha, falando de como a leitura liberta. Conheci a autora na Bienal do Livro, em 2007. Freira, trabalhando com pessoas destituídas no interior do Brasil sob a capa da clandestinidade, pois Maria Valéria Resende era perseguida política, ela se dedicou a alfabetizar pessoas e, segundo elas, libertá-las. Esta seria a verdadeira teologia da libertação, pelo que eu entendi. Gostei tanto das palavras dela, e, no entanto, não consegui ainda ler seu livro. Mas hei de lê-lo. Acho que o mano Dré já leu, e gostou. Eu gosto da imagem e das palavras da autora...
E agora, depois de uma última e furtiva olhadinha para o mar, pintadinho de ondas travessas, vou a Benjamin.

5 comments:

Amauri said...

Minotauro tinha corpo de homen e cabeça de touro, é isso?
Rumino, aguardando você voltar às sereias.
Ah! como é bom sonhar com elas..

Eugenia said...

Querida, acertou. Sou euzinha mesma, mergulhada até a alma em Nápoles, fundada em cima do túmulo da rainha das sereias, Partenope.
Beijos, Eugenia.

Guido Cavalcante said...

Há anos li um conto de Giuseppe Tomasi di Lampedusa (Il Gattopardo), simplesmente maravilhoso: "O Senador e a Sereia." E não me lembro agora do autor de um livro escrito durante a guerra na Itália, quando um peixe semelhante a uma mulher é servido num banquete para oficiais em Palermo... E tem o meu conto "A Sereia da Guanabara", que qualquer dia publico na web :-) e que foi desclassificado numa das edições dos contistas de O Globo (creio que a temática era sobre a cidade do Rio de Janeiro).

Guido Cavalcante said...

O autor esquecido é Curzio Malaparte e seu romance 'A Pele', apresenta uma sereia ao natural, criada em aquário e servida num jantar oferecido a oficiais americanos, durante a ocupação da Itália. O personagem recorta os ossos do peixe de forma a parecer unhas humanas e as deixa na borda do prato...

Guido Cavalcante said...

Sua frase...

"O perfeito boneco, bem articulado, para agradar aos interesses de um Destino cujo nome verdadeiro desconhecemos?"

...me fez pensar num cyborg, e por extenção em Blade Runner, o filme de Ridley Scott (1982)- que de certa foprma visita o drama existencial de Frankstein na personagem do "replicante" ou cyborg, uma criatura fabricada, superior aos humanos em todos os sentidos, exceto (no filme) pela programação de uma vida limitada.O cyborg é a última construção humana no sentido de uma "modernidade complicada" - dolorasamente consciente de sua inerente limitação.

Tem um texto do qual só li trechos, mas que vale a pena:

Donna Haraway, "A Cyborg Manifesto: Science, Technology, and Socialist-Feminism in the Late Twentieth Century,", que vc pode ler aqui:

http://www.stanford.edu/dept/HPS/Haraway/CyborgManifesto.html