Tuesday, October 28, 2008

Meu glorioso São Judas Tadeu

Tenho uma amiga que me iniciou na devoção a São Judas. Eu nunca fui muito de devoção a santos, mas gosto da maioria deles. Quando era criança fui obrigada a me vestir de Santa Teresinha, por alguma promessa de minha mãe; gosto de ler hagiografias, principalmente quando escritas por bons autores, como Eça de Queirós, mas qualquer uma me satisfaz, como a história de uma ex-pecadora (na época era um eufemismo para prostituta) que virou santa porque nunca deixou de fazer o sinal da cruz ao passar diante de uma igreja -- quem era? quem escreveu opúsculo tão edificante? -- não sei, tudo desapareceu nas brumas da memória, só sobrou a lembrança da história, que quase me fez ficar sofrendo de L.E.R. numa tenra idade, de tanto fazer o sinal da cruz. Alguns santos me fascinam pelo seu ar tão medieval e heróico -- São Jorge e São Miguel (principalmente o Saint Michel que enfeita o boulevard que leva seu nome). Algumas santas me assombram, como Santa Luzia, por exemplo, com aqueles olhos na bandeja... A maior parte dos mártires me espanta: um São Lourenço na grelha, quer espanto maior que esse? Mas vou parar por aqui, antes que essas digressões me levem ao inferno dos assuntos perdidos. Ia falar de São Judas e de minha amiga. Pois foi essa amiga, hoje morando distante do Rio, quem me garantiu que São Judas era "o" santo. Um santo injustiçado, confundido com o traidor, um santo que se esforçava ao máximo para atender aos seus fiéis e provar que ele era digno de estima... Acho que foi aí que o santo me pegou: um santo com baixa auto-estima, querendo provar que é bonzinho, que é prestativo e que nunca traiu ninguém. Fiquei fã de São Judas. Rezo para ele, mesmo quando não tenho nenhuma causa urgente e desesperada para o obrigar a trabalhar por mim e mais uma vez provar que ele faz por merecer nossas orações. Depois que passei a prestar mais atenção nele, descobri que, ao contrário do que o santo acredita, ele é um dos santos mais populares do céu. Basta dizer que a torcida do Flamengo é devota dele -- isso já é quase uma unanimidade. Hoje a Ana Maria Brega revelou que também é devota dele -- ela mesma é um exemplo de milagre: como é que tão medíocre consegue ser uma figura de tanta importância no mundo da mídia? Só milagre do santo, mesmo. Que, para não deixá-la sozinha, deve estar fazendo milagre para outros apresentadores de TV. E também para políticos pelo mundo afora. E para escritores. Aqui vai então minha prece pública a São Judas: por favor, meu santo, proteja meu novo livro, o Linha de sombra. Faça dele um grande livro, digno de atenção e de leitura. Que ele divirta seus leitores, que faça com que alguns, mais sérios, retirem alguma lição de suas páginas; que faça que a maioria, desatenta como os leitores de Machado, se divirta com os textos mais leves, e se comova com os mais sofridos. E proteja a autora, para que ela consiga emplacar mais alguns livrinhos que ela pensa em escrever, e, se não for pedir muito, faça com que ela ganhe algum dinheiro com suas publicações -- afinal, o senhor se gaba de realizar os pedidos impossíveis. E proteja meus manos e amigos escritores, e livrai-nos a todos da subliteratura, amén!
Um beijo a todos os amigos que compareceram ao lançamento no dia 22. Foi bom encontrar com vocês lá. Me senti um sucesso! Mas, realmente, foi uma festa bonita, com os vídeos excelentes e a sensível leitura de um dos contos do livro. Obrigada a Juliana, Debora, Rodrigo, Natália et alii, os meus queridos cineastas. Obrigada ao Ruiz, Márcio, Mitzi e Priscila, atores e diretores responsáveis pela belíssima leitura. Obrigada a cada um que compareceu e me alegrou e me deu estímulo e apoio. Obrigada aos amigos da editora Record que, com sua presença, legitimaram meu "filho". E aos amigos do SESC, que me abriram as portas desse reino encantado... Isso sem esquecer o Marcelo, o Mussa, o Marco Polo e o Marcus -- um time que me acolheu com entusiasmo e que continua me dando força. São Judas, olhai por nós!

2 comments:

Ana Cristina Melo said...

Também sou devota dele. Fui batizada lá, minha irmã também. Já me socorreu em um momento gravíssimo de minha vida.
Isso me faz lembrar que estou em débito com ele. Há algum tempo não vou até sua igreja, em Laranjeiras, que aliás é lindíssima.
Faço coro com você e deixo minha prece: que ele perdoe esses devotos sumidos, e que nos ajude a termos um pouco mais de paz, nessa terra onde ter fé virou blasfêmia. E que se dupliquem as vozes que seguem a oração de São Francisco, que também tem sua comemoração nesse mês de outubro.
Amém!
Um beijo carinhoso.
Ana Cristina

Amauri said...

Você apelou, deixou São Judas mais vaidoso que já é. Meu São Sebastião reclamou, você nem o mencionou quando falou de santo sofredor.
Mas falando do Linha de Sombra, nem precisa apelar para os santos, já é um sucesso, só não fiquei sem o meu por que esta autografado, caso contrario teria ficado no Panama, pois encontrei uns brasileiros que vivem lá e ficaram fascinados com o livro, vou mandar um por DHL. É uma ideia, tem que lançar seus livros nas colonias de brasileiros que vivem no exterior. Já pensou nisso?
Em tempo, suas obras estão longe de serem livrinhos. Parabéns.
Beijo,
Amauri