Thursday, June 03, 2010

A fotógrafa subiu no telhado


Enfim, em casa. Pretendia atualizar o blog pelo caminho, mas foi impossível. Num dos lugares em que pernoitei, o acesso à internet me sairia a 35 centavos de Euro por minuto… Impraticável!
Anotei tudo num caderninho de viagem, caneta e papel nunca sairão de moda, eu acho. Nem o livro de papel, dos quais trouxe mais uma leva para enlouquecer meu querido bibliotecário de Babel – mais um Guilherme a sofrer, tentando colocar ordem nos meus livros!
Agora vou tentar fazer das minhas gracinhas, ou seja, publicar as espetaculares fotos que, por mero acaso, consegui ir tirando pelo caminho. Com elas poderei ir re-contando a história da viagem. Nesta foto ao lado, escolhida aleatoriamente, está a lembrança de minha visita ao Duomo. No primeiro dia, tendo chegado já à tardinha, passeamos só pelo chão, sem nos aventurarmos nas alturas do Duomo. Percorremos as ruas que nos levaram do hotel (Cavour) até a galeria Vittorio Emanuelle. Lá, aconselhada por Barbara, a Bela, condessa de Milano, dei as usuais voltinhas com o calcanhar encaixado aonde, um dia, estavam representados os testículos do touro. Dizem que dá sorte, e eu não quis desperdiçar esta chance. Afinal, quem não precisa de sorte? No dia seguinte foi meu dia de andar nas nuvens: primeiro, subi ao telhado do Duomo, depois fui ao Teatro alla Scala. Mas já falei sobre meu encantamento com a  ópera, e não vou me repetir aqui. O que não falei foi sobre os passeios em Paris, minhas impressões sobre as exposições maravilhosas e sobre a cidade encantadora, sempre interessante e cheias de coisas para fazer. Mas deixo para depois. Como ontem dormi o dia inteiro, por causa do jet lag que me pegou de jeito, desta vez, hoje tenho que fazer tudo o que pretendia fazer ontem, ou seja, colocar a vida em dia. Até breve, então!

5 comments:

Anonymous said...

Além de excelente ecritora.Também fotógrafa: excelente.Diga-se logo.
Boas vindas!
Ernane

Tereza said...

Que bela fotografia!
Aliás tudo é o olhar, não é mesmo?
Ou seja, pessoas diferenciadas vêem diferenciado, acredito.Vi uma vez um filme, acho que passado em Lisboa, que a pessoa ia levando uma filmadora na mão e esta era o diretor, ou seja, via-se tudo pela imagem, mas nesse caso, captada aleatoriamente. Até entendo e respeito, mas é ainda o olhar do ser humano que me seduz.
Olhe, é claro que viajar e postar ao mesmo tempo é mesmo complicado e também a pessoa tem de dar um tempo em tudo, às vezes, ou muitas. Eu só reclamei um pouco para provocar!!! Um grande abraço, Tereza.

Tereza said...

Ainda em tempo: esqueci de dizer que a filmadora ia na mão, mas a mão ia jogada ao lado do corpo e a pessoa não via o que estava sendo filmado: deu para entender??? Só se ia ver depois. Abraços, Tereza.

Anonymous said...

Quero ver as fotos! bjs Márcio Galli

Anonymous said...

Bem vinda. Fotos e histórias por favor Beijos Marcio Fonseca